A realidade da mãe solo

O Dia das Mães pode ter sido uma data criada com intuitos comerciais. Entretanto, é sempre importante usar especialmente este período para debater questões relevantes sobre a maternidade. Entre elas, as dificuldades vividas por uma mãe solo.

O termo serve como uma substituição para a expressão ‘’mãe solteira’’, referente a ausência da paternidade na criação dos filhos. A mudança foi promovida por um avanço da sociedade. Isso porque o estado civil da mãe não quer dizer necessariamente que os cuidados com o filho são compartilhados. 

Ou seja, é possível ser mãe solo solteira, divorciada, viúva ou em uma união estável com, ou sem o pai. Quer saber mais sobre a realidade de uma mãe solo no Brasil atualmente? Continue a leitura e fique por dentro do assunto!

O que é mãe solo?

Conforme mencionado e como o próprio nome sugere, mãe solo é aquela que exerce a maternidade sem auxílio do pai. Assim, se preferir você também pode usar a expressão mãe autônoma, já que ela tem o mesmo sentido. 

Por que não usar o termo mãe solteira?

É muito importante contribuir para que o termo ‘’mãe solteira’’ fique cada vez mais em desuso. Como visto, ‘’mãe solteira’’ não abraça exatamente a realidade da maternidade e pode causar interpretações equivocadas. Afinal, existem mães em relacionado que cuidam sozinhas dos filhos.

E ainda, ‘’mãe solteira’’ tem conotação negativa, já que surgiu quando as mulheres tinham menos direitos do que atualmente. Isto é, no passado mulheres que não fossem casadas no papel eram muito mais julgadas do que nos dias de hoje. 

Inclusive, muitas decisões sobre a vida delas só poderiam ser tomadas legalmente com autorização do marido. Por exemplo, até 1962 as mulheres precisam de autorização do marido para trabalhar fora, conforme o Código Civil de 1916.

Diante de um contexto em que os maridos tinham tanto poder sobre as esposas, ser mãe fora do casamento era considerado transgressor. Logo, apesar de a expressão mãe solo ser atual, essa realidade já é antiga e exige atenção das pessoas.

Quais são os desafios de uma mãe solo?

Você já entendeu que a maternidade solo é uma realidade antiga. Atualmente, existem mais de 11 milhões de mulheres no Brasil que são mães autônomas, segundo o IBGE. Algumas vezes isso ocorre por decisão própria, como mulheres que usam doadores para engravidar e pretendem manter a criação sozinhas. 

Apesar disso, estas e as demais que são negligenciadas pelos pais dos filhos costumam sofrer inúmeros desafios sociais e financeiros. Isso porque, quando a decisão não é voluntária, é possível que as mães precisem lidar com dupla ou tripla jornada. É o caso do trabalho, cuidados com os filhos e os domésticos. 

Aumento dos riscos de doenças

Lidar com todas essas responsabilidades sem a colaboração do pai é exaustivo. Afinal, biologicamente a mente precisa de momentos de descanso e lazer para conseguir se manter sã. Caso contrário, ela produz constantemente hormônios associados ao estresse, na intenção de manter o corpo ativo.

Este mecanismo do organismo possibilita que as mães fiquem mais alerta. Contudo, se não houver uma diminuição na produção dessas substâncias, o corpo passa a se desequilibrar. Então, é possível que surjam problemas como síndrome de Burnout, transtornos de ansiedade, depressão, síndrome do pânico e muitos outros.

Naturalmente, este desequilíbrio também afeta a saúde física. Por exemplo, o constante estado de alerta exige muito mais do sistema cardiovascular e da pressão arterial. Assim, ocorre um aumento nos riscos de doenças associadas a isso, como a hipertensão. 

Considere também que a sobrecarga dificulta os cuidados com a saúde física. É o caso da alimentação saudável, prática de exercícios físicos, hidratação regular, visitas frequentes ao médico etc. 

Dificuldades no mercado de trabalho

Assim como existem mulheres exaustas com o trabalho somado a maternidade, muitas se sobrecarregam com problemas financeiros por não conseguir emprego. Afinal, pode ser difícil encontrar creche ou rede de apoio para ficar com o filho durante o expediente da mãe.

É o que mostram dados da Fundação Maria Cecilia Souto Vidigal (FMCSV). Segundo eles, entre as famílias pobres, apenas 24,4% das crianças de até 3 anos frequentam creche no Brasil. A situação piorou durante a pandemia da Covid-19, já que muitas creches fecharam.

Outro agravante para as dificuldades no mercado de trabalho é o preconceito com as mães na hora da contratação. Isso porque pode existir um pensamento cultural de que é dever delas ficarem em casa com os filhos. E ainda, muitos podem imaginar que por esse motivo, as mães não seriam tão produtivas no emprego.

Prova disso é que por muito tempo a licença-paternidade durava até 5 dias, enquanto a materna tem duração de 120 dias. Ou seja, o preconceito com as mães no mercado de trabalho dificulta a contratação delas e favorece a instabilidade financeira.

Exclusão em atividades culturais e de lazer

Como foi possível notar, mães solo podem não ter uma rede de apoio ou política, como creches para deixar os filhos. Isso é desafiante não apenas na busca de trabalho, mas também na participação de atividades culturais e de lazer. Afinal, muitos espaços não têm infraestrutura adequada para crianças. 

É o caso da sala de amamentação, calçadas com rampa para carrinho de bebê etc. Tudo isso dificulta e inibe a convivência especialmente de uma mãe solo nesses ambientes. Foi o que aconteceu em um bar paulistano, que impediu a entrada de uma mãe com o seu filho pequeno.

Contudo, é importante citar que essa realidade não atinge mães solo de forma igualitária. Algumas podem sofrer ainda mais preconceitos e dificuldades. Isso porque outros problemas históricos, como racismo, também agravam o quadro. Isto é, segundo o IBGE, 56,9% das mães solo vivem abaixo da linha de pobreza. Para as mães negras, a porcentagem sobe para 64,4%.

Então, conseguiu entender mais sobre as dificuldades de uma mãe solo na sociedade atual? É indispensável refletir sobre isso para que a sociedade tenha mais empatia com essa realidade e pense conjuntamente em melhorias. Uma das formas de fazer isso é cobrar o investimento em políticas públicas.

Além disso, também é útil se engajar e apoiar o Instituto Dara, com a doação de remédios, a promoção de diálogos, o fornecimento de vale-alimentação etc. Acesse nosso site para saber mais e ajudar as mães solo!

Download Best WordPress Themes Free Download
Premium WordPress Themes Download
Download Nulled WordPress Themes
Download Best WordPress Themes Free Download
udemy paid course free download
download lava firmware
Download Best WordPress Themes Free Download
udemy free download